Impostômetro de Inhambupe

Veja no Blog

sábado, 3 de setembro de 2016

Em entrevista, Dilma diz que fatiamento de votação do impeachment é ‘estranhíssimo’


Em entrevista, Dilma diz que fatiamento de votação do impeachment é ‘estranhíssimo’
Foto: Reprodução / Facebook
 
Dois dias após ser afastada definitivamente pelo Senado, por 61 votos a 20, a ex-presidente Dilma Rousseff concedeu nesta sexta-feira (2) uma entrevista à imprensa internacional na qual classificou como “estranhíssimo” o fatiamento da votação do processo de impeachment, que lhe deu habilitação para, mesmo destituída, ocupar cargos públicos nos próximos oito anos. “Essa dupla votação é estranhíssima. Vota de uma vez de um jeito e vota de uma vez de outro. 
 
O segundo voto é daqueles que não consideram que de fato cabia uma punição. São senadores que estavam indecisos, sofreram pressões, mas que votaram no sentido que eu não teria a inabilitação dos meus direitos políticos por oito anos. Eu não acho que atenua ou não atenua o que fizeram. Acho que são detalhes e decorrências do que fizeram”, disse a petista. Na primeira entrevista após o afastamento, Dilma não defendeu a tese de que a decisão de não suspender seus direitos políticos seja aplicada no caso do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “Não suspenderam meus direitos, mas fazer o mesmo com Eduardo Cunha? Não”, afirmou, categórica. Dilma voltou a chamar o processo de impeachment de “golpe” e a dizer que não cometeu crime de responsabilidade. “Eu acho gravíssimo o que aconteceu aqui, tem um impeachment sem crime, afasta uma pessoa inocente do cargo. Lamento profundamente que, ao mesmo tempo, esse seja um processo que tenha um impulso para se desnudar, que é uma coisa estarrecedora”. Ao lado do advogado e ex-ministro, José Eduardo Cardozo, Dilma afirmou que a “democracia foi julgada junto comigo”. “O fato, gravíssimo, é que me condenaram à pena de morte política, ao me tirar da Presidência. As pessoas aqui no Brasil têm esse hábito, ‘esqueçam o que escrevi, esqueçam o que falou’. Aqui a incoerência é muito grande. Acho gravíssimo que o programa que não é o eleito pelas urnas seja executado nos próximos anos. Tenho certeza que a democracia foi julgada comigo. Espero que nós todos saibamos reconstruí-la”, lamentou a ex-presidente. 
 
A petista defendeu, ainda, mudanças na Lei do Impeachment de 1950, que, segundo ela, “permitem esse tipo de golpe parlamentar”. “Acho que tem que ser mudada essa lei. Somos uma democracia jovem, que não pode passar pelo fato de que, de todos os presidentes eleitos, só quatro cumpriram integralmente seu mandato”, opinou. A ex-presidente também voltou a acusar Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de, enquanto presidente da Câmara, tentar “desestabilizar” seu governo. “Todos os projetos que enviamos para a Câmara, ou foram negados, ou aceitos parcialmente, as chamadas pautas-bomba. Por parte do presidente da Câmara, que é não o coadjuvante, mas o grande articulador do meu impeachment, houve uma grande tentativa de desestabilizar meu mandato. No ano de 2016, foi pior ainda. A Câmara parou. Deterioram a situação econômica para que servisse de caldo, de expansão para o vírus do impeachment”, bradou. Questionada sobre quais planos teria para o futuro, a ex-presidente disse que ainda não tem nada “muito elaborado”, mas descartou se afastar da política. “Não vou fazer planos de hoje para amanhã, mas eu sempre fiz política na minha vida. Não tenho hoje nenhum projeto muito claro ou já elaborado, mas tenho a disposição de contribuir, dentro das minhas possibilidades, para que o Brasil seja um país desenvolvido e, sobretudo, mais democrático”, concluiu.  
 
Fonte: http://www.bahianoticias.com.br/noticia/195557-em-entrevista-dilma-diz-que-fatiamento-de-votacao-do-impeachment-e-estranhissimo.html