Impostômetro de Inhambupe

Veja no Blog

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Origem do dia das Bruxas


O Dia das Bruxas existe há mais de dois mil anos. A festa dos povos celtas comemorava o fim do verão, o início do Ano-Novo e as fartas colheitas. Sua comemoração original chamava-se Samhain, também conhecida como o Dia das Almas, na noite de 31 de outubro.
Segundo a lenda, os mortos no ano anterior regressam e se encarnam nos vivos, podendo cometer atrocidades, colocar mau olhado nas colheitas e ocasionar danos materiais. Outras pessoas garantem que os celtas acreditavam que as almas eram de membros superiores da Igreja Católica e eram inofensivas.


No mundo moderno, o Halloween surgiu no séc. XIX, quando irlandeses implantaram a festa nos Estados Unidos. A data virou uma tradicional festa infantil na qual crianças se fantasiam e pedem doces de casa em casa, dizendo tricks or treats - travessuras ou gostosuras. A animação é tanta que dia 31 de outubro é feriado nos Estados Unidos, e o comércio registra um alto volume de vendas.


Tradição deu origem às máscaras, abóboras, doces e bruxas.


A tradição de pedir doces existe porque acreditava-se na cultura celta que para se apaziguar espíritos malignos era necessário deixar comida para eles. Esta prática foi transformada com o tempo, com os mendigos passando a pedir comida em troca de orações por quaisquer membros mortos da família. Uma espécie de chantagem, que daí deu origem ao "travessuras ou doces".

A lanterna feita com uma abóbora recortada em forma de "careta" veio da lenda de um homem notório chamado Jack, a quem foi negada a entrada no céu, por sua maldade, e no inferno, por pregar peças no diabo. Condenado a perambular pela terra como espirito até o dia do juízo final, Jack colocou uma brasa brilhante num grande nabo oco, para iluminar o seu caminho através da noite. Este talismã (que virou abóbora) simbolizava uma alma condenada.

As máscaras têm sido um meio de supersticiosamente afastar espíritos maus ou mudar a personalidade do usuário e também de comunicação com o mundo dos espíritos. Acreditava-se enganar e assustar os espíritos malignos, quando vestidos com máscaras.


Nas celebrações da "Vigília de Samhain" nos dias 31 de outubro, os druidas acreditavam poder ver boas coisas e mal agouros do futuro através do fogo. Nessas ocasiões, os druidas construíam grandes fogueiras com cestas de diversos formatos e queimavam vivos prisioneiros de guerra, criminosos e animais. Observando a posição dos corpos em chama, eles diziam ver o futuro.

As cores usadas no Halloween, o laranja e o preto, também têm sua origem no oculto. Elas estiveram ligadas a missas comemorativas em favor dos mortos, celebradas em novembro. As velas de cera de abelha tinham cor alaranjada, e os esquifes eram cobertos com tecidos pretos.

Acreditava-se que mulheres com poderes de feitiçaria podiam lançar aos seus vizinhos toda espécie de sorte maléficas, como morte de gado, perda de colheita, morte de filhos etc. Segundo a tradição, o poder mais pernicioso de tais bruxas era tornar os maridos cegos a respeito da má conduta de suas esposas e de fazer com que as chamadas feiticeiras gerassem filhos idiotas ou aleijados. A caracterização de bruxas era a de velhas megeras desdentadas com hábitos excêntricos e língua venenosa.

Fonte(s):

Gel o Fotografo



Esse é o fotografo famoso Gel da Kodak de Inhambupe e essa imagem é uma obra prima.

Rua Optaciano Oliveira


Sempre é bom ver as ruas da nossa cidade, essa rua é proxima da praça Santa Izabel e da Pituba.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

O Blog do Dudu


Inhambupe sempre será mostrado aqui no blog, o mundo precisa descobrir que Inhambupe não é apenas uma cidade do interior da Bahia, é uma cidade que tem o seu valor, uma cidade que tem belezas próprias, apesar que não tem emprego para todos, é uma cidade que tem um ambiente que não tem em qualquer outro lugar.
Aqui tem fotos de Baixa Grande, Saquinho, Volta de Cima e outros lugares da zona rural, como tem também várias ruas do centro de Inhambupe.
Também temos o antigo Mercado Verde que é a Cesta do Povo. Só para citar algumas ruas como Amarela, Urbis, Loteamento Antônio Batista, Pedro da Silva e Oliveira, Ponte Real, Antigo Matadouro, Rodoviaria, Comercio, a igreja, a Feira , as ruas do Novo Inhambupe e muitas outras fotos que só tem aqui ou no meu orkut.
E o trabalho está apenas começando, terá muito mais informações.

Biblioteca fechada


Um grande acervo cultural de Inhambupe vive abandonado, segundo o proprietario Senhor Osvaldo disse que não tem condições de pagar uma pessoa para abrir a biblioteca, e com isso cerca de centenas de livros deixam de ser usados e quem perde é a população inhambupense.
A biblioteca fica localizado na Rua Cel. Matias Rocha na Barroquinha.
Na parede tem Apoio cultural Prefeitura Municipal de Inhambupe.

Amarela







Essas são imagens da Avenida Julio Tácio Pereira Lopes mais conhecida pelo o nome de Amarela.

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Rua Pedro da Silva e Oliveira e outras ruas

Rua Pedro da Silva e Oliveira
Assembléia de Deus
Trav. Pedro da Silva e Oliveira
Rua Pedro da Silva e Oliveira
Trav. Pedro da Silva e Oliveira
Rua Santa Barbara
Trav. Pedro da Silva e Oliveira
Rua Hélio Neves da Rocha
Loteamento Lealdino
Trav. Pedro da Silva e Oliveira
Rua Pedro da Silva e Oliveira
Trav. Pedro da Silva e Oliveira
Rua Miguel da Silva Bomfim
Rua Pedro da Silva e Oliveira
Ilê Axé Odésinan conhecida por Mãe Taquara
Rua Pedro da Silva e Oliveira
Trav. Pedro da Silva e Oliveira
Rua Pedro da Silva e Oliveira
Trav. Pedro da Silva e Oliveira

Trav. Pedro da Silva e OliveiraTrav. Pedro da Silva e Oliveira
Trav. Pedro da Silva e Oliveira
Congregação Adventista da Promessa

Rua Pedro da Silva e OliveiraTrav. Pedro da Silva e Oliveira
Trav. Pedro da Silva e Oliveira

Essas são algumas ruas da região da Rua Pedro da Silva e Oliveira, conhecida por rua da Coelba, abraços a todos os visitantes.

Origem do dia do Funcionário Publico

Cristo em frente a Camara Municipal de Inhambupe

Em 1808, com a chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil, formou-se o embrião daquilo que seria a máquina administrativa estatal.

São, portanto, duzentos anos de funcionalismo público. O Brasil se tornou independente, virou império, república. E lá estavam os servidores. Governos e governantes vieram e passaram, e os funcionários permaneceram. Tanto na ditadura quanto na democracia, a imensa máquina pública brasileira jamais deixou de funcionar.

O cargo de funcionário público sempre foi muito cobiçado. A cada novo concurso, milhares de candidatos buscam uma vaga em instituições federais, estaduais e municipais. Apesar disso, o serviço público, de um modo geral, é visto como ineficiente por boa parte da sociedade. Garantias como a estabilidade no emprego tornam difícil demitir maus funcionários, contribuindo para a imagem depreciativa do paletó na cadeira. Mas a história mostra que são estes funcionários, na verdade, os grandes responsáveis pela manutenção e organização dos serviços prestados pelo poder público, em qualquer nível.

Em 1943, o então presidente Getúlio Vargas institui o 28 de outubro como o Dia do Funcionário Público, através do Decreto-Lei Nº 5.936.

Em 1990, com o surgimento do novo Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais - Lei 8.112 - a denominação de funcionário foi substituída pela de servidor.

Por toda sua história, a homenagem do PortoWeb a todos servidores públicos.

Materia tirada do site: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/pwdtcomemorativas/default.php?reg=10&p_secao=18

Atualmente a prefeitura de Inhambupe tem 1.140 funcinários, em sua grande maioria de concursados, então o povo inhambupense depende muito do poder publico.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Cemitério, igreja e praça de Inhambupe


Dentro do cemitério de Inhambupe Cemitério depois da reforma
Cemitério Nossa Senhora da Conceição antes da reforma
Altar da igreja
Casa Paroquial de Inhambupe
Sino da igreja de 1880
Igreja de Inhambupe
Praça e local de apresentações
Em frente da Igreja
Praça
Os arcos da Praça
A igreja iluminada
A praça quando tinha rua na frente da igreja
Casa de Ciro Rico


LOCALIZAÇÃO DA IGREJA MATRIZ

O local escolhido foi a atual Praça Cônego Maximiano, em homenagem ao antigo Pároco. Segundo os historiadores, havia naquele local, uma grande árvore de Gameleira, que ficava em linha direciona! ao Cemitério de Nossa Senhora da Conceição, já existente, onde já havia dentro do Cemitério, uma Capela, de Nossa Senhora da Conceição, que também foi destruída na década de1960, (sem nenhum respeito).

Então conta a lenda que toda tarde uma Pomba branca, voava do Cemitério para a grande árvore de Gameleira, daí foi escolhido este local para construir a Igreja.

Próximo ao local já existia a rua da Gameleira, hoje Dr. Batista Xavier, com algumas casas instaladas.

Com o passar do tempo foram construindo casas e sobrados formando a nossa atual Praça.