Impostômetro de Inhambupe

Veja no Blog

domingo, 11 de janeiro de 2015

O indefectível "pau de selfie"

 
O paulista André Luís Coutinho, que rodou muito para achar o seu monopod nos shoppings do Recife

 Também chamado de monopod, o equipamento foi considerado uma das melhores invenções do ano pela revista Times

  Com um minicomputador com câmera fotográfica no bolso, todo mundo pode registrar seus momentos marcantes à vontade. E ainda de forma independente: basta esticar o bração e tirar a foto, sem ter que pedir favor a ninguém. Mas, percebeu-se o desafio de fazer todo mundo caber junto na mesma foto. Ou, ainda pior, como enquadrar também o cenário no fundo (afinal, se não aparecer a torre, ninguém no Facebook vai acreditar que você está em Paris). Surgiu, então, a mãe de todas as ferramentas para a construção de autorretratos: o pau de selfie.
Aliás, não surgiu, voltou! Registros históricos recentemente descobertos apontam para a existência do pau de selfie já na década de 1920. O primeiro registro que se tem notícia do uso do equipamento é uma foto feita em 1926 pelo britânico Arnold Hogg, ao lado da sua esposa Helen. Não foi o primeiro autorretrato feito com câmera fotográfica – esse recorde pertence ao fotógrafo Robert Cornelius, por uma imagem feita em 1839 – mas é o nascimento do acessório. A próxima ocorrência seria no livro 101 invenções japonesas inúteis, lançado por Kenji Kawakami em 1995. O então chamado “self-portrait camera stick” seria considerado, 20 anos depois, uma das melhores invenções do ano, de acordo com a revista Times.
O próprio termo “pau de selfie” é controverso. Tradução literal do inglês “selfie stick”, mas renegado por muitos usuários. Monopod é o nome técnico, mas variações como “varinha de selfie”, bastão, extensor entre outros. Entretanto, apesar do claro benefício que os paus de selfie trouxeram para a nossa sociedade narcisista, o objeto ainda é alvo de polêmica. Há quem o odeie do fundo da alma e trabalhe pelo seu banimento. Nos jogos dos times ingleses Tottenham e Arsenal, por exemplo, o acessório está proibido. Alguns torcedores estavam incomodados com o uso ostensivo do objeto e protestaram até que a sugestão foi aceita pela diretoria dos clubes. Na Coreia do Sul, a polícia está confiscando os sticks que utilizam tecnologia bluetooth, mas não são homologados, além de aplicar multa. Mas isso não impede o crescimento na sua popularidade.

Fonte: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/suplementos/jc-mais/noticia/2015/01/10/o-indefectivel-pau-de-selfie-163740.php