Impostômetro de Inhambupe

Veja no Blog

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

2014 foi o ano mais quente na história moderna, dizem cientistas dos EUA

Banhistas aproveitavam a tarde de sol no Rio (Foto: Alessandro Buzas/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)
 

Dezembro também marcou temperatura média sem precedentes, diz NOAA.
Segundo Nasa, temperatura média da Terra ficou 0,8°C mais quente.

 
O ano de 2014 foi o mais quente do planeta desde o início dos registros em 1880, de acordo com análises separadas da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) e da Nasa, apresentadas nesta sexta-feira (16). O parecer oficial, no entanto, ainda será divulgado pela ONU.
A NOAA ainda anuncia que dezembro também marcou uma temperatura média na superfície da Terra e dos oceanos sem precedentes nos últimos 134 anos para o mês.
Para o ano, a temperatura média se situa entre 0,69°C acima da média do século XX, superando as marcas prévias de 2005 e 2010, de 0,04°C. O relatório da agência disse que o recorde de aquecimento se propagou pelo mundo.
Anos mais quentes (Foto: Editoria de Arte/G1)
Segundo a análise da Nasa, desde 1880, quando foi iniciada a medição, a temperatura média da Terra ficou 0,8°C mais quente, uma tendência provocada em grande parte pelo aumento das emissões de dióxido de carbono e de outros gases pelo homem na atmosfera do planeta.
Aquecimento do planeta
Além disso, os 10 anos mais quentes registrados, com exceção de 1998, ocorreram a partir de 2000. Essa tendência continua com o aquecimento de longo prazo do planeta, de acordo com medidas de temperatura da superfície da Terra feitas pelos cientistas da Nasa.
"Enquanto o ranking de anos individuais pode ser afetado por padrões climáticos caóticos, as tendências de longo prazo são atribuíveis a causas da mudança climática que agora são dominadas por emissões humanas de gases do efeito estufa", disse Gavin Schmidt, diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da Nasa, em Nova York, em comunicado.
Entre as regiões do mundo onde foram registrados recordes de calor estão a Rússia, o oeste do Alasca, o ocidente dos Estados Unidos, algumas zonas da América do Sul, parte do litoral australiano, norte da África e quase toda a Europa.
A agência disse ainda que as medições realizadas pela Nasa de forma independente chegam às mesmas conclusões.
Recorde no mar e na terra
Quando são analisadas separadamente as superfícies da terra e dos oceanos, ambos registros também marcam recordes.
Com relação à neve, a NOAA constatou que a média anual no hemisfério norte foi de 64,62 milhões de km², "perto da média dos registros históricos". A primeira metade de 2014 registrou menos neve do que o normal, mas o segundo semestre registrou mais do que a média.
O gelo polar e oceânico seguem derretendo no Ártico, privando os ursos polares de seus habitats e provocando mudanças climáticas que afetam regiões muito distantes em todo o mundo.
A média mundial de gelo no oceano Ártico foi de 28,46 milhões de km², a menor área nos 36 anos em que os cientistas têm feito registros. No outro pólo, na Antártica, o gelo marinho caiu, pelo segundo ano consecutivo, aos níveis mais baixos já registrados: 33,87 milhões de km², segundo a NOAA.
    Temperaturas 2' (Foto: Editoria de Arte/G1)
Dezembro também teve temperaturas recordes. As temperaturas médias combinadas nas superfícies terrestres e marítimas foram maiores do que qualquer outra na história.
A temperatura média do mês foi 0,77ºC acima da média mundial. "Este foi o dezembro mais quente no período de 1880 a 2014", disse a NOAA.

Prévia
Em dezembro, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) havia divulgado durante a Conferência Climática das Nações Unidas, a COP 20, em Lima, que 2014 caminhava para ser um dos anos mais quentes já registrados.
Na prévia do relatório “Status Global do Clima 2014”, a agência da ONU apontou que de janeiro a outubro de 2014 a temperatura média da superfície da Terra e dos oceanos foi de 14,57°C – 0,57ºC acima da média entre 1961 e 1990, período usado como referência pela OMM. A análise é feita a partir de resultados obtidos pela NOAA, o Met Office, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, e a Nasa.
Mesmo antes da confirmação oficial ser divulgada, em dezembro do ano passado a OMM já havia anunciado que era possível afirmar que dos 15 anos mais quentes da história, 14 foram no século 21.
Impactos no Brasil
O documento da OMM cita a seca na região Sudeste do Brasil como uma das anomalias que ocorreram em consequência da temperatura global maior.
De acordo com o texto, a seca severa em áreas do leste do país e na região central “causou um déficit hídrico grave que se estende por mais de dois anos. A cidade de São Paulo tem sido particularmente afetada com a grave escassez de água e o baixo nível do reservatório Cantareira”, disse o informe.
Luís Carlos e o pecuarista Paulo Andrade acompanham a produção (Foto: Ana Carolina Levorato/G1) Segundo a  meteorologia, a seca que atingiu o Sudeste brasileiro neste ano foi a pior em 80 anos. Somente no estado de São Paulo, a estiagem deverá causar a maior perda em 50 anos na agricultura.
A OMM afirma ainda que as temperaturas na América do Sul ficaram acima da média em grande parte do continente, principalmente no Sul do Brasil e no Norte da Argentina.
 
Produção e milho sofreu com a estiagem no interior de São Paulo (Foto: Ana Carolina Levorato/G1)
 
Fonte:  http://g1.globo.com/natureza/noticia/2015/01/agencia-dos-eua-diz-que-2014-foi-o-anos-mais-quente-na-historia-moderna.html