Impostômetro de Inhambupe

Veja no Blog

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Rui e Souto se alfinetam e Lídice convida espectadores para jantar


Rui e Souto se alfinetam e Lídice convida espectadores para jantar
Foto: Max Haack / Ag. Haack / Bahia Notícias
Paulo Souto abriu o quarto bloco assistiu um programa em que Rui Costa afirma que a Bahia precisaria dar "saltos" como deu o Ceará e Pernambuco, e questionou se ele, como secretraio, não poderia ajudar o estado a crescer como os outro. O petista disse que Souto abriu mão de apresentar propostas para fazer críticas e agressões e que, em seu governo, o democrata não apresentou um só projeto ao governo federal. Ao concluir, aproveitou para alfinetar o concorrente: "Eu gostaria de saber quem foi que te entregou o Hospital Dantas Bião sucateado", disse, ao sugerir que o responsável foi o antecessor, o ex-governador Antônio Carlos Magalhães. Souto lamentou que o candidato não tivesse respondido e disse que enviou, sim, projetos ao governo. Além disso, defendeu que o governo petista teve a "felicidade" de conseguir um investimento de R$ 100 milhões aprovados antes da entrada de Wagner, e que mesmo assim não fez muita coisa. Concluiu, então, que o governo de Wagner não conseguiiu fazer com que o estado se despontasse. Rui aproveitou, então, para ironizar o democrata, ao dizer que não entendia sua atenção para a saúde. "Sua sensibilidade, agora, está na saúde? Só veio aparecer quando você saiu do governo?", criticou. E concluiu com a promessa de que vai construir 7 hospitais na bahia.
Educação foi o tema escolhido por Lídice da Mata (PSB) para questionar o candidato do PSOL, Marcos Mendes. Com a expectativa de dividir a atenção sobre o tema a partir da réplica, Lídice defendeu que “a educação é mola propulsora e central para o meu projeto de desenvolvimento da Bahia”. Para Mendes, a situação da educação na Bahia, criticada pela adversária do PSB, é resultado da falta de apoio dos governantes. “Essa perseguição aos profissionais da área de educação não é novo. Dentro do governo de Paulo Souto isso também acontecia. No governo do PT, achávamos que isso não ia acontecer, mas não foi assim que aconteceu”, atacou. Ao final, o candidato do PSOL defendeu a discussão do modelo de educação e o resgate ao projeto desenvolvido pelo baiano Anísio Teixeira, que previa a educação em tempo integral, bandeira de Lídice. Marcos Mendes questionou a insistência de Lídice em dizer que é alternativa da polarização DEM/PT, mesmo tendo recebido dinheiro da Friboi e Suarez, que estariam sendo investigadas por irregularidades e lavagem de dinheiro. A candidata se colocou como defensora do financiamento público de campanha, mas disse que a lei atual permite esse investimento e que, como ela não é rica, recebeu o apoio - por meio do partido - para divulgar suas ideias de forma transparente, sem negociatas ou caixa dois. "Eu não tenho nada a temer. Nunca me submeti a interesses privados. Recebi contribuição quando fui prefeita e nunca favoreci esse tipo de postura", se defendeu. "Explica mas não justifica", apontou Mendes. Ele citou um estudo que levantou quanto foi investido em financiamento de campanha por grandes empresas em 2010 e, segundo ele, elas receberam 10 vezes mais em quatro anos. E frisou: O PSOL é o único partido sem financiamento privado. Mesmo assim, Lídice manteve sua resposta e disse que continuará buscando apoio financeiro dentro da lei - aproveitando, inclusive, para convidar a todos a um jantar para recolher mais dinheiro para sua campanha.
Da Luz (PRTB) acusou o adversário petista, Rui Costa, de não resolver o problema da mobilidade urbana em Salvador, apesar de receber a alcunha de “pai da mobilidade”. “Não é esse metrô ultrapassado que o senhor colocou para rodar que vai resolver o problema de mobilidade urbana”, criticou Da Luz, que anunciou a pretensão de fazer o destrato com concessionárias de estradas e a isenção de débitos do IPVA. Rui defendeu, no entanto, que o projeto do metrô de Salvador terá 41 km nos próximos anos. “Em janeiro, o metrô já estará em Pirajá. O contrato novo prevê que o dinheiro só será pago quando o metrô esteja em operação”, afirmou o petista, citando projetos como VLT, BRT e as avenidas transversais, atualmente sendo desenvolvidas pelo governo do estado. Da Luz perguntou a Souto porque, como geólogo, não aproveitou as riquezas do solo baiano para gerar mair riquezas para o Estado."Você me dá uma ótima oportunidade", começou o democrata, ao defender que todas as jazidas foram descobertas e licitadas em seu governo, o que o colocava em uma situação tranquila. O ex-governador aproveitou seu tempo para mudar o rumo da resposta e voltar a alfinetar Rui Costa, que, segundo ele, seria o único baiano a não se preocupar com saúde e segurança. E concluiu: "Sugiro, inclusive, que o candidato melhore sua cronologia, já que meu antecessor não foi ACM", pontuou. Na réplica, o candidato do PRTB sugeriu que nem a cidade de Caetité, onde Souto nasceu, rebeceu atenção em seu governo, e disse que "O povo está morando em barraco em cima de pedras preciosas". Mas o democrata novamente jogou as críticas ao governo petista, ao dizer que a extração de ferro da região só depende da operação da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol), que estava prevista para 2012, e que mesmo se for lançada em 2015, como prometido, não poderá escoar a produção no Porto Sul "que não existirá em 2015".
 
Fonte:  http://www.bahianoticias.com.br/noticia/159527-rui-e-souto-se-alfinetam-e-lidice-convida-espectadores-para-jantar.html