Impostômetro de Inhambupe

Veja no Blog

quarta-feira, 1 de março de 2017

"A diferença da Tatuapé é o povo que a gente tem", diz presidente da escola


  Escola leva primeiro título da história e vai à loucura

A euforia tomou conta da Escola de Samba Acadêmicos do Tatuapé Rovena Rosa/Agência Brasil
Após a última nota da Acadêmicos do Tatuapé ser cantada no microfone, representantes da diretoria da escola de samba caíram ajoelhados no chão, comemorando a vitória do Grupo Especial de São Paulo. “É sempre no último minuto, na última hora, a gente não perdeu a esperança, a gente fechou nossa corrente aqui porque sabia que era possível. Graças a Deus, comemora Tatuapé! Estamos chegando, comemora Tatuapé!”, disse emocionado o presidente da escola, Eduardo dos Santos, durante a comemoração.
Com a conquista do título inédito pela agremiação da zona leste da capital paulista, o presidente atribuiu a vitória à sua comunidade. “A diferença é nosso povo, são os mutirões no nosso barracão; a diferença é nossa comunidade, o nosso componente que veste fantasia. A diferença da Tatuapé é o povo que a gente tem”, enfatizou Eduardo dos Santos.
“Nós não damos sorte nenhuma, a única sorte que a gente dá é de reunir esse grupo maravilhoso de pessoas que vai lá, trabalha muito, se compromete com a gente e vem aqui e faz um espetáculo como esse que vocês estão vendo”, acrescentou. Ele agradeceu aos 2,7 mil componentes da escola e reiterou que “a zona leste sofrida, guerreira, merece esse título”, comemorou.
Segundo o presidente, o enredo escolhido pela Tatuapé ajudou na conquista do título. A escola de samba teve como tema Mãe África Conta a Sua História: Do Berço Sagrado da Humanidade à Abençoada Terra do Grande Zimbabwe.
“O enredo que ajuda bastante, é como eu falei: ninguém faz uma festa como o povo africano, e nós viemos aqui mostrar essa festa para o Brasil inteiro. Graças a Deus, conseguimos sair vitoriosos. Já estávamos vitoriosos na sexta-feira, quando fechou o nosso portão. A gente estava muito feliz da vida, muito realizado, porque o nosso compromisso era fazer o melhor desfile da nossa vida, o melhor desfile dos nossos 64 anos, e nós fizemos. Isso já era para nós motivo suficiente para estar feliz e realizado. Esse prêmio, esse troféu, esse campeonato só coroou um trabalho maravilhoso desde 23 de abril do ano passado até agora”, avaliou Santos.
O carnavalesco da escola, Flávio Campelo, também caiu na emoção e lembrou que, em 2009, foi campeão pela escola Mocidade Alegre, também na última nota. “Agora, mais uma vez, é muita emoção. Nem sei se tem coração aqui ainda”, comemorou.
“A nossa comunidade merece isso. Não tem preço [essa vitória], principalmente com a Tatuapé, que é uma escola de garra, uma escola de comunidade. A comunidade que merece isso. Eu estou feliz”, disse o carnavalesco.
Apuração
A apuração das escolas de samba do Grupo Especial de São Paulo começou por volta das 16h20, sob sol forte, no Sambódromo do Anhembi, zona norte da cidade. Logo no início o silêncio tomou o local. Passada metade da apuração, por volta das 17h15, alguns gritos de comemoração eram ouvidos no anúncio de notas 10.
No entanto, o clima no local permaneceu tranquilo durante toda a apuração, sem nenhum registro de ocorrência. Os representantes das diretorias permaneceram concentrados, ouvindo as notas dos jurados até as 18h, quando, na última nota, veio a vitória para a Acadêmicos do Tatuapé.
As primeiras notas a serem cantadas foram do quesito fantasia. Depois, vieram os quesitos bateria, comissão de frente, mestre-sala e porta-bandeira, harmonia, alegoria, evolução, enredo e, por último, samba-enredo.
Até as notas do quesito harmonia, a Império de Casa Verde liderou o ranking. Após as notas de alegoria, a Dragões da Real passou para a primeira colocação, onde ficou até o último quesito, terminando empatada, na nota geral, com a Tatuapé. Ambas tiveram a nota final 269,7. O critério de desempate foi a nota do último quesito, samba-enredo, que deu a vitória à agremiação da zona leste da capital, com nota 30. A Dragões teve nota 29,9 no samba-enredo, conquistando o vice-campeonato. Em terceiro lugar, ficou a Vai Vai, com total de 269,4.
O terceiro jurado do quesito harmonia não deu nota para a escola Unidos do Peruche. Pelo regulamento, a nota a ser atribuída no caso é a média aritmética das outras notas recebidas no mesmo quesito. O resultado da média foi 10, não chegando a prejudicar a escola.

Fonte: http://entretenimento.r7.com/famosos-e-tv/a-diferenca-da-tatuape-e-o-povo-que-a-gente-tem-diz-presidente-da-escola-28022017