Impostômetro de Inhambupe

Veja no Blog

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Lula, de novo, em 2018?

Ex-presidente já se coloca como candidato a candidato na sucessão da presidente Dilma Rousseff. “Só o que eu não posso dizer é que não”, diz ele, sobre concorrer em 2018. À sua maneira, ele deixa claro que vai esperar o momento certo para assumir formalmente o que já está assumido politicamente: "A gente tem de saber o seguinte: a gente faz política, e dependendo do que irá acontecer nesses próximos quatro anos, a gente vai tomar decisão na hora que tiver de tomar a decisão"
O ex-presidente Lula está a um passo do paraíso político. No domingo 26, uma vez confirmadas as pesquisas que apontam a vitória da presidente Dilma Rousseff, do PT, sobre o senador Aécio Neves, do PSDB, ele será o primeiro e único na fila de candidatos do partido às eleições  de 2018.
O próprio Lula já fala com desenvoltura sobre o tema, deixando claro que não pode recusar a possibilidade de vir a ser o nome do partido para suceder Dilma:
- A única coisa que eu não posso dizer é que não, respondeu Lula, nesta semana, em entrevista ao radialista Geraldo Freire, da rádio Jornal Jornal, do Recife.
O ex-presidente justificou sua posição:
- Eu não sei qual vai ser a circunstância política de 2018.
Isso significa que o ex-presidente já se assume como candidato a candidato. Da condição de ‘Pelé no banco de reservas’, ele agora já está no aquecimento para entrar em campo na hora exata de concorrer à próxima eleição;
- Estou completando 69 anos de idade. Em 2018, terei 72. É preciso levar isso em conta, contabiliza o ex-presidente.
ANIMAL POLÍTICO - À sua maneira, ele deixa claro que vai esperar o momento certo para assumir formalmente o que já está assumido politicamente:
- A gente tem de saber o seguinte: a gente faz política, e dependendo do que irá acontecer nesses próximos quatro anos, a gente vai tomar decisão na hora que tiver de tomar a decisão, cravou.
O ex-presidente quer mais atores políticos na cena:
- Eu tenho fé em Deus que o Brasil vai produzir quadros mais novos, jovens, pessoas com velocidade, com mais garra, pessoas mais comprometidas, completa, com modéstia.
O que fica, mesmo, é que Lula é sim candidato a candidato em 2018. E ele não está sozinho, bem ao contrário. O primeiro a instalar o nome de Lula como candidato do PT à Presidência, na sucessão de Dilma, foi o presidente da legenda, Rui Falcão:
- O eleitor vai ver os resultados (de um eventual segundo governo Dilma) e, certamente, se o presidente Lula for o nosso candidato, vai ficar muito feliz.
Em seguida, foi a vez de Dilma apoiar o nome de Lula para a sua sucessão:
- Isso foi dito pelo Rui Falcão (a possibilidade de Lula vir a ser candidato). Ele não me disse isso, mas se depender de mim, pode ter certeza que eu ajudo, clareou Dilma.
A presidente e o ex passaram os últimos quatro anos sobre a mira da mídia tradicional. Uma pauta permanente foi a apuração de possíveis divergências entre eles. A cada rumor, no entanto, ora Dilma, ora Lula, saiam a campo para desmentidos.
Houve, de fato, um período de maior afastamento entre a presidente e o ex. Ocorreu entre outubro do ano passado e março deste ano. No final do ano passado, em meio a baixas nos indicadores econômicos e ironias na mídia internacional contra o ministro Guido Mantega, da Fazenda, o ex-presidente chegou a dizer a amigos que uma troca cairia bem para Dilma. Daria, segundo ele, uma ‘sacudida’ no governo. Mesmo sem jamais ter tido grandes confidentes, em algumas conversas Lula citou o nome do empresário Josué Gomes da Silva como o mais adequado para assumir o posto e dar novo pique para a política econômica. O recado chegou a Dilma, que, como se sabe, manteve Mantega contra todas as pressões. Houve, a partir daí, um retraimento de Lula. O ex-presidente assumiu uma posição de neutralidade sobre a gestão do governo Dilma.
Neste tempo e espaço políticos, surgiu o hoje famoso, sempre anônimo e que terminou sendo o frustrado movimento ‘volta, Lula’. Em diferentes  encontros informais do ex-presidente com empresários, uma menção ao assunto, da parte dos interlocutores dele, era quase obrigatória, mesmo feita em tom de brincadeira ou mais seriamente. A ideia era testar a reação de Lula até o limite do conveniente.
VOLTA QUE NÃO EMPLACOU - Num desses momentos, no auge do burburinho sem fontes, Lula cedeu, abrindo uma janela para a possibilidade de concorrer no lugar da presidente. A frase atribuída a ele, em março deste ano, em quase todas as colunas políticas, até agora não foi desmentida:
- Estou pronto, só não posso magoar a Dilma.
Lula tem radares sobre todas as mídias. Ele é municiado a respeito dos principais fatos, notadamente os que envolvem seu nome, muitas vezes ao dia. O ex-presidente, assim, não deixa passar sem desmentidos nada que, atribuído a ele, ele próprio considere impreciso ou inverídico. Mas aquela passou.
A marolinha do ‘volta, Lula’, para ter se tornado uma onda verdadeira,  precisaria ter sido adensada por dirigentes do partido. E isso nunca aconteceu. Em sua maneira de levar, dentro do PT, os preparativos para a convenção nacional que indicou Dilma à reeleição, o presidente Rui Falcão promoveu uma série de encontros nacionais numerosos para  afirmar, confirmar e reconfirmar o nome da presidente como o único existente. Lula, mais de uma vez, declarou com todas as letras que a vez era mesmo dela.
Enquanto isso, Dilma corria nas pesquisas de opinião na faixa dos 40% de intenção, sempre à frente de Aécio Neves e do então pré-candidato do PSB, Eduardo Campos. Sem abrir qualquer margem para a discussão de seu nome, a presidente manteve a primazia, levada até a vitória em primeiro turno e para o teste decisivo do domingo 26.
CHEFIA DA OPOSIÇÃO - Caso as projeções das pesquisas não se confirmem – o que seria uma grande surpresa em razão das tendências aferidas de crescimento da presidente e perda de pontos para o senador -, ainda assim Lula terá um futuro operoso pela frente. Ele chefiará a oposição. Uma de suas missões, nesse caso, será garantir as eleições de 2018. Aécio, afinal, declarou-se contrário à reeleição e defendeu um mandato de cinco anos para o cargo. Isso levaria o pleito para 2019. Com mais um ano de mandato sobre os cinco pretendidos, a depender de negociações no Congresso, a nova disputa iria para 2020.  
A dar a lógica, com Dilma vitoriosa, Lula pretende se colocar em campo para a convocação de uma assembleia constituinte exclusiva. Ele defende a eleição de um grupo único para fazer uma reforma política. E já deixa claro que os participantes desse grupo, em seu modelo, não poderão ser candidatos em seguida ao parlamento.
- Temos de acabar com essa bagunça de 28 partidos. Não dá mais para continuar assim, precisamos de uma reforma política urgente, tem manifestado o ex-presidente.
Ele também já anuncia que quer estar muito próximo da presidente Dilma na gestão do governo.
Nesta reta final de campanha, Lula foi o responsável pela linha geral da campanha, de comparação entre os resultados das gestões petistas frente aos alcançados pelos governos do PSDB. A partir desse posicionamento, a candidatura de Dilma passou a crescer sobre a de Aécio, o que não ocorrera, com clareza, até então. Além disso, Lula subiu nos palanques, deu seus motes engraçados para o público, como ao chamar o adversário de “filhinho de papai” e jogou todo o seu carisma na transferência de votos para Dilma. Na noite deste domingo, o ex-presidente não tem dúvidas de que irá colher exatamente o que plantou – uma presidente reeleita com um candidato de continuidade já posicionado, o velho e bom Luiz Ignácio Lula da Silva.

Fonte: http://www.brasil247.com/pt/247/poder/158197/Lula-de-novo-em-2018.htm